BOQUILHA REFACEADA

dezembro 15, 2016 José Villamur 0 Comments

Olá amigos, apresento nesta publicação informações que irão elucidar e orientar as dúvidas sobre:

BOQUILHA REFACEADA 

Vamos iniciar com um comentário sobre boquilhas originais de fábrica.
Como pude observar e comentar com colegas REFACERS fora do Brasil, percebo que aqui também como lá, boquilhas produzidas em série e distribuídas às lojas sem um controle de qualidade final individual, têm um significativo percentual de unidades com medidas fora do padrão e pode-se dizer que acontece praticamente com todas as marcas famosas e conhecidas.

Isso deve-se a vários fatores, um deles é o fato que são produzidas em tornos de precisão intermediária, porque um torno para produzir peças na precisão que uma boquilha perfeita exige, teria um custo desproporcional ao valor de venda do produto acabado, alem do fato que desgastes do equipamento alteram medidas que tem precisão de décimos/centésimos de milímetros, como também a fricção das ferramentas em alta rotação ocasionam um aquecimento nas boquilhas em fabricação aumentando seu tamanho e depois de terminadas quando desaquecem, reduzem seu tamanho apresentando alteração nas dimensões. Principalmente tornando a mesa côncava no sentido longitudinal.

Comprar uma boquilha bem regulada ficou parecido com palhetas de bambu, algumas são boas outras não, então abriu-se um nicho no mercado para REFACERS que produzem suas boquilhas (em tornos ou fundidas), mas as finalizam e regulam manualmente uma a uma, tornando-as confiáveis.
Poderia citar alguns como: Fred Lebayle, Rafael Navarro, Theo Wanne, Freddie Gregory, 10mfan, Brian Powell(café), Mojo (vortex).

Abaixo apresento desenhos que servirão de base para toda a matéria. Alguns conceitos já foram comentados anteriormente, mas é conveniente revê-los porque indicam dimensões que não se consegue notar nas boquilhas sem equipamentos específicos.

Os desenhos estão em proporções diferentes justamente para melhor esclarecer as considerações.

Acima o desenho de uma boquilha em corte com uma curvatura elíptica onde o raio maior R1 está numa proporção de 11,25 vezes maior que o raio R2 da elipse. Essa proporção é um exemplo, pode ser qualquer uma.
Então que medidas de raios (ou raio no caso de curva radial) e que proporção deve ser escolhida?
Eis a questão, essa escolha se baseia em experiência, conhecimento da estrutura de uma boquilha, troca de informações, estudo de estatísticas, tentativas erro e acerto, conhecimentos matemáticos, feeling, sensibilidade pessoal, conceito moderno de tendência sonora, testes, comparações, etc, etc, essa escolha é a assinatura de um REFACER.
Essa escolha é inserida em programas de computador (engendrados pelo REFACER) que irão determinar quais as dimensões matematicamente corretas e mais harmoniosas para uma determinada boquilha, levando em consideração o material, o tipo de sax, a abertura de ponta a espessura do tip rail, tipo de câmara, tipo de garganta, tipo de baffle, etc.
O resultado será a maior facilidade ou dificuldade na emissão do som favorecendo mais os graves, médios ou agudos (favorecendo não acrescentando ou reduzindo). É aí que aparecerá a diferença do resultado do trabalho de um REFACER.

Nota: graves, médios, agudos, superagudos, rampa, projeção, brilho, garganta, resistência ao sopro etc, são outros procedimentos além do refaceamento.

Acho feliz a comparação de boquilhas com um vinho:

Um vinho francês da região Bordeaux geralmente é composto por 3 tipos de uvas, Cabernet Sauvignon, Merlot e Cabernet Franc.
Os produtores da região usam proporções diferentes de cada uva na produção dos seu vinhos, o produtor A usa 60%,30% e 10% o produtor B usa 50%,25% e 25% o produtor C usa 80%,10% e 10% etc, etc.  
Comparo essa proporção das uvas com a escolha do tamanho dos raios e da proporção entre eles.
Não é só essa escolha que faz um vinho, depende também da composição do solo onde são plantadas as parreiras e do equilíbrio das chuvas durante o crescimento, comparo isso à qualidade do material usado na fabricação da boquilha.
E por ultimo um vinho depende também do conhecimento técnico de quem o produz, assim como a boquilha depende de conhecimento técnico e habilidade de quem a projeta e regula.

Disso resultam vinhos de alta qualidade de qualidade mediana e medíocres, assim como boquilhas. 

                           REFACEAMENTO.

REFACEAMENTO: (ato de refazer a face) é uma alteração das medidas dos elementos da face (facing) como a abertura da ponta, curva, seu comprimento e a mesa, objetivando personalizar e gerar a boquilha ideal para o gosto específico de um músico.

Tenho recebido boquilhas em estado lastimável, onde curiosos tentaram altera-la das mais diversas formas possíveis, tenho ouvido de vários clientes que querem aumentar a abertura mas querem um preço baixo, e dizem o seguinte: "MAS SÓ QUERO DAR UMA LIXADA NA PONTA PARA ABRIR".
Abaixo uma foto de como NÃO se deve proceder para aumentar a abertura de uma boquilha.
 Esse procedimento de lixar a ponta para abrir ocasionará as seguintes consequências:
1- A nova ponta reduzirá o comprimento da boquilha na medida "A", como já publicado em artigos anteriores a câmara da boquilha compensa a retirada do bico do cone imaginário no início do sax para dar lugar a boquilha, quando o comprimento da boquilha é reduzido sem aumentar a câmara para compensar, esse desiquilíbrio vai obrigar a puxar a boquilha para fora do tudel para compensar a redução da câmara, então vai afinar mais na ponta.
2- O bico vai ficar muito fino e cortante, ele tem uma espessura a ser respeitada senão vai alterar a resposta da boquilha.
3-  O comprimento da curva "B" vai ser reduzido para o comprimento "C" alterando significativamente a resposta dos sons graves.
4-  A curva "D" vai ser alterada para a curva "E" desacertando totalmente a curvatura que deve ser harmoniosa, progressiva, gradual e suave.

UM REFACEAMENTO PROFISSIONAL E ADEQUADO NÃO INCORRE NOS ERROS ACIMA CITADOS, É FEITO DE FORMA A IMPLANTAR A ALTERAÇÃO DA ABERTURA COM SUA RESPECTIVA CURVA E COMPRIMENTO IDEAIS CONFORME SOLICITAÇÃO DO MÚSICO SEM ALTERAR DIMENSÕES DA BOQUILHA.

CONCLUSÃO:

MEXER NUMA BOQUILHA COMO SE DIZ, NÃO É ASSUNTO PARA CURIOSOS, EXISTE A NECESSIDADE DE UM AMPLO CONHECIMENTO TÉCNICO, FERRAMENTAS ESPECÍFICAS GERALMENTE FEITAS PELOS PRÓPRIOS REFACERS (PARA UM TRABALHO PROFISSIONAL DE REFACEAMENTO DE BOQUILHAS SÃO NECESSÁRIAS DEZENAS DE FERRAMENTAS E HÁ DISPONÍVEL A VENDA EM TORNO DE MEIA DÚZIA DELAS NO MERCADO). 
A MAIS IMPORTANTE FERRAMENTA É O PROGRAMA DE COMPUTADOR EXCLUSIVO DO REFACER.

CLARO QUE É NECESSÁRIO TER CUIDADO NA COMPRA DE UMA BOQUILHA ALTERADA,(é necessário saber quem alterou e se não foi alterada depois dele!) MAS É FALTA DE CONHECIMENTO GENERALIZAR A PREFERÊNCIA POR UMA BOQUILHA ORIGINAL A UMA REFACEADA, ENTENDO QUE CURIOSOS E AMADORES CONTRIBUÍRAM PARA A CRIAÇÃO DESSE CONCEITO.

Refacers PROFISSIONAIS com certeza refaceam ou produzem uma boquilha com melhor PERFORMANCE que uma boquilha produzida em série.

A Maioria dos grandes saxofonistas do passado e do presente utilizam boquilhas CUSTOMIZADAS (refaceadas) especificamente para eles.
  

0 comentários: